CTRL + D para adicionar esse site aos seus favoritos.
Cadastre seu e-mail gratuitamente clicando aqui para se manter informado sobre vagas, concursos, apostilas e todos os demais conteúdos do site. Fique atento ao e-mail de confirmação que será enviado. Verifique também na caixa de spam.
.
Deseja fazer seu curriculo conosco? Divulga-lo em diversas empresas sem sair de casa? Entre em contato, revisamos seu currículo gratuitamente. curriculoideal@yahoo.com.br

Guia de Profissões de F a M

FÁRMACIA

Farmacêuticos

A PROFISSÃO

Os farmacêuticos são os técnicos responsáveis pelas diversas operações relacionadas com os medicamentos, drogas e outros produtos com fins medicinais, higiênicos ou profiláticos, para uso humano e/ou veterinário. As suas funções específicas diferem em relação à área de atividade que exercem.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Manipula drogas prescritas por médicos ou trabalhadores da área médica.Provê informação a pacientes sobre dosagem, efeitos colaterais, e interações da droga.Responde a dúvidas e faz recomendações a clientes sobre medicamentosMantenha registros computadorizados de inventário de farmácia e as terapias de pacientes.Pode fazer medicamentos que usam fórmulas padrões.Provê aconselhamento para hospital e pessoal médico.Revisa e monitora terapias com drogas em pacientes hospitalaresAnalisa registros buscando evidências de uso excessivo de certos medicamentos.Pode solicitar drogas e outros materiais médicos.Pode trabalhar como supervisor de farmácia. Frequentemente estudantes de farmácia trabalham como internos.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.
Química
Conhecimento em informática





FÍSICA MÉDICA

Físicos

A PROFISSÃO

Física Médica é um ramo da Física Aplicada relacionado à aplicação de energia, conceitos e métodos para o diagnóstico e terapia de doenças humanas. Envolve áreas como eletrônica médica, bioengenharia, e física de proteção radiológica.
Equipamentos e procedimentos ligados à medicina nuclear, como raio-x, eletroencefalografia, eletrocardiologia, radiodiagnósticos odontológicos, ultra-som e ressonância magnética, entre outros, também são objetos de ação da Física Médica.
O potencial do campo de atuação do físico-médico é enorme. Ele poderá desenvolver atividades ligadas à instalação, manutenção e ao uso de vários equipamentos, e à determinação de planos para terapias, avaliação, controle de qualidade em sistemas e imagem, controle dos riscos às radiações, além da possibilidade de participação em órgãos governamentais que tratem destes assuntos.
A área de pesquisas em Física Médica também é extensa. Outro campo de trabalho importante será o ensino em diversas áreas da saúde, a formação de técnicos em radiologia, cursos de biofísica e de radiobiologia e a própria Física Médica.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

O físico pode ajudar o oncologista (especialista em tumores) a melhorar o tratamento de radioterapia em um paciente.Ele pode também trabalhar em outros campos que utilizem radiação, como na indústria de produção de equipamentos de raio X.O curso de graduação da USP terá física, matemática e química,e mais física do corpo humano, radioterapia e imagem por ressonância magnética.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa
Física
Informática





FISIOTERAPIA

Fisioterapeuta

A PROFISSÃO

O Fisioterapeuta é um profissional da área da saúde que tem como objetivo principal o estudo do movimento humano.
A área de atuação da Fisioterapia abrange a maioria das clínicas, como a Neurologia, a Traumato-Ortopedia, a Reumatologia, a Pneumologia, a Cardiologia, a Angiologia, a Ginecologia e Obstetrícia, a Pediatria, a Oncologia, a Cirurgia, a Geriatria, a Endocrinologia, a Dermatologia, a Medicina Desportiva e a Medicina Preventiva.
O Curso de graduação em fisioterapia tem por objetivo central a formação do fisioterapeuta envolvido na promoção da saúde, prevenção de agravos e doenças, no tratamento e na reabilitação dos sujeitos.
As práticas devem ser mediadas por um "fazer educacional", visando à autonomia das pessoas, propiciando-lhes uma melhor qualidade de vida.
O Fisioterapeuta formado estará apto a atuar na assistência, bem como assessorar, planejar, administrar, dirigir e orientar serviços de fisioterapia em instituições públicas, privadas ou domicílio; buscar a atualização e aperfeiçoamento contínuos de conhecimentos e da prática profissional.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

O mercado de trabalho encontra-se em franca expansão, podendo o profissional ser rapidamente absorvido, desde que tenha obtido formação de qualidade.Neste momento entram em cena a qualidade e a seriedade da Instituição de origem do profissional e a dedicação e o empenho do mesmo no decorrer de sua graduação.O profissional de Fisioterapia será capaz de atuar nas principais áreas da Fisioterapia, tais como: a Traumato-Ortopedia e Reumatologia, Neurologia, Pediatria, Cárdio-Respiratória e UTI, Fisioterapia Desportiva e a Fisioterapia Preventiva, através da Ergonomia.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.
Biologia





FILOSOFIA

Filósofos

A PROFISSÃO

A filosofia é uma busca contínua do conhecimento da realidade sob todos os aspectos, por meio da reflexão, da análise e da crítica.
O profissional preparado pelo Curso de Filosofia dedica-se ao trabalho do pensamento e o exercício da lógica, investigando especialmente a explicação das diversas interpretações que fazemos do mundo.
O curso de Filosofia visa capacitar o aluno a desenvolver atitudes de análise em todas as suas atividades, a fim de qualificá-lo para o exercício profissional com responsabilidade e competência, propiciando condições de atender às necessidades de um universo sócio-cultural amplo e em constante desenvolvimento.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Os filósofos atuam no magistério, em escolas de 1º e 2º graus, em instituições de ensino superiores, e podem estar também vinculados às atividades concernentes ao desenvolvimento de pesquisas e ao apoio de projetos científicos, culturais e educacionais, prestar serviços de assessoria para pesquisadores e gerenciadores de recursos humanos; participar de equipes interdisciplinares que visem à ética nas relações humanas e desenvolver pesquisas na sua área de conhecimento.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.






FONOAUDIOLOGIA

Fonoaudiólogo

A PROFISSÃO

O fonoaudiólogo é profissional capacitado para atuar no processo de comunicação do ser humano nas suas etapas de aquisição, desenvolvimento e abrangência, quer nas suas manifestações de normalidade quer nos seus distúrbios.
Para tal necessita compreender o indivíduo em relação à sua história de vida, sua situação em relação ao distúrbio que o acomete e seu contexto sócio-cultural.
O fonoaudiólogo trabalha em área limite com a educação (didática e pedagógica), com a medicina (saúde pública, otorrinolaringologia, foniatria, neurologia, psiquiatria, pediatria), com a odontologia (ortodontia), com a psicologia (clínica e pesquisa) e deve, por isto, na sua formação profissional adquirir conhecimentos de ciências biológicas, morfológicas e fisiológicas, ciências médicas, odontológicas, ciências humanas, sociais e políticas, ciências físicas, conhecimentos de educação, didática, de lingüística, filosofia, teoria do conhecimento, além de conhecimentos específicos de voz, fala, audição e linguagem de ser humano.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Excetuando-se os profissionais que trabalham essencialmente na área de audiologia, os demais se distribuem em um campo de atuação bastante diversificado, que compreende os seguintes segmentos:Serviços públicos de saúde: encontramos o fonoaudiólogo inserido em equipes interprofissionais, atuando de forma eminentemente preventiva em hospitais, postos de saúde, unidades básicas, ambulatórios de especialidades e hospitais-dia.Educação: em instituições públicas ou privadas, o fonoaudiólogo atua em creches, ONGs, escolas de 1o e 2o graus, orientando os professores e auxiliando na elaboração de programas de alfabetização. Atua, ainda, como docente em cursos de graduação e pós-graduação em Fonoaudiologia.Serviços de saúde ocupacional/indústrias: a atuação do fonoaudiólogo, na área de saúde do trabalhador, encontra-se em franca ascensão, em virtude da legislação vigente, que obriga as indústrias a realizarem exames audiológicos em seus funcionários. O fonoaudiólogo realiza avaliações audiológicas admissionais, periódicas e demissionais, e está engajado em programas de conservação auditiva e controle de ruído.Centros auditivos: onde o fonoaudiólogo realiza avaliações audiológicas, bem como a seleção e adaptação dos aparelhos auditivos comercializados pelas empresas;Meios de comunicação, artes e telemarketing: junto aos profissionais que têm a fala e a voz como instrumento de trabalho, a atuação do fonoaudiólogo visa a aprimorar os padrões de articulação, respiração, entonação, entre outros.Entidades e associações de assistência a deficientes: novamente inserido em equipes interprofissionais, o fonoaudiólogo atua junto a pacientes portadores de deficiências auditivas, mental, física, bem como distúrbios emocionais e neurológicos;Clínicas geriátricas/asilos: atendimento a pacientes acometidos de patologias decorrentes da idade (ex: afasias, disartrias, etc.).Entidades de classe: trabalho voltado aos interesses da profissão e da classe fonoaudiológica, desenvolvido nos conselhos, sindicatos, associações e sociedades.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.
Biologia
Química





GEOGRAFIA

Geógrafo

A PROFISSÃO

Os geógrafos estudam fenômenos físicos e humanos à escala local, regional, nacional ou mundial. Estudam a forma como os fenômenos se distribuem no espaço, as causas e conseqüências dessa distribuição e as inter-relações que se estabelecem entre eles.
Os geólogos estudam a composição da crosta terrestre e a sua evolução histórica, realizam trabalhos de prospecção e exploração de certos recursos naturais, participam na preparação dos terrenos destinados a obras de engenharia e realizam experiências e investigações.
Geólogos são responsáveis por trabalhos de cartografia geológica, registrando em mapas a distribuição dos diferentes tipos de rochas, os acidentes tectônicos (falhas e fraturas geológicas nas rochas), a inclinação e a espessura das camadas rochosas, a idade dos diferentes afloramentos rochosos, os tipos de fósseis existentes, a topografia, etc.
Elaboram, também, cartas (mapas) de risco sísmico, nas quais criariam, por exemplo, as zonas mais sujeitas a terremotos e as placas tectônicas. Identificam, igualmente, as zonas mais sujeitas a fenômenos como cheias e desabamentos de terras.
Estes profissionais realizam tarefas relacionadas com ciências como o vulcanismo, a paleontologia, a mineralogia e a petrologia. Por exemplo, em relação ao vulcanismo estudam a evolução e o desenvolvimento de erupções vulcânicas, tendo em vista, especialmente, a sua previsão e a prevenção e diminuição dos riscos.
No que diz respeito à paleontologia, estudam fósseis considerados relevantes para perceber a evolução do planeta Terra, como é o caso dos fósseis dos dinossauros.
Nas atividades ligadas à mineralogia, identificam as jazidas (depósitos) de minério, petróleo e gás natural. Na área da petrologia, ocupam-se do estudo das rochas, procurando saber, por exemplo, quando e como as rochas foram formadas e o que lhes aconteceu desde então. Além das rochas, também as pedras preciosas são alvo das suas investigações.
Muitos profissionais dessa área optam por lecionar em escolas de ensino médio ou faculdades.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Entre os fenômenos físicos estudados por estes profissionais, encontram-se a morfologia, o tipo de solo, as condições climáticas e a vegetação natural de determinada área.Descrevem o relevo quanto à sua forma (morfologia) - se é constituído por serras, montanhas, vales, planaltos, pequenas colinas ou superfícies planas - e registram, por exemplo, a variação das altitudes e a extensão das diferentes unidades.Realizam, igualmente, estudos sobre a rede hidrográfica, ou seja, a hierarquia das linhas e cursos de água, tais como rios e ribeiros.São responsáveis pela análise dos materiais rochosos que constituem o solo, com vista a classificá-lo segundo categorias convencionadas (arenoso, argiloso, pedregoso, etc.).Em relação às condições climáticas, analisam, entre outros parâmetros, a variação da precipitação registrada, a amplitude térmica, a velocidade e direção dos ventos e a influência de altas ou baixas pressões atmosféricas.De acordo com as informações obtidas, cabe-lhes classificar o clima de uma determinada área em estudo, obedecendo às tipologias estabelecidas (ex.: clima seco, clima úmido, clima temperado, clima continental, clima tropical ou clima mediterrânico...)Dedicam-se, também, ao estudo e classificação das associações vegetais características de uma região: registram o tipo de plantas predominantes nos diferentes estratos (herbáceo, arbustivo e arbóreo) e a extensão de território que ocupam, classificando as associações segundo as suas características biogeográficas, como por exemplo as florestas (mediterrânica, equatorial, tropical), ou os ecossistemas agrícolas.Entre os fenômenos humanos estudados pelos geógrafos, salientam-se a população, o tipo de povoamento, as atividades dos grupos humanos e a distribuição dos equipamentos e infra-estruturas.Ocupam-se do estudo da população de uma área geográfica, recorrendo aos dados estatísticos ou procedendo a levantamentos (por exemplo, através de inquéritos ou entrevistas).Esta análise demográfica pode requerer uma classificação, por exemplo, segundo o número de habitantes e de residentes, a idade, o sexo, o grau de escolaridade e a profissão.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.
Geografia
Informática
Matemática






JORNALISMO


Jornalista

A PROFISSÃO

Se você está pensando em ser tornar um jornalista, lembre-se que há várias dificuldades a vencer e algumas qualidades a desenvolver. Ler jornais é a melhor forma de aprender o ofício. Muito mais do que nos cursos, aprende-se com a experiência alheia.
Devido ao grande aumento dos canais jornalísticos, hoje em dia está na moda ser jornalista. A prova disso é que nos últimos anos pudemos notar uma explosão de cursos, públicos e privados, na área da comunicação social, que cresceram proporcionalmente ao número de interessados na profissão, que fizeram aumentar o número de candidatos/vaga nas mais concorridas faculdades.
Na verdade, o diploma de jornalismo não é uma obrigatoriedade no Brasil para se exercer a profissão, contudo, atualmente as mais importantes empresas do setor costumam contratar profissionais formados na área, ou que ao menos estejam cursando uma faculdade de jornalismo.
Dos cursos da área de comunicação, as licenciaturas em Ciências da Comunicação ou Comunicação Social têm uma vertente mais teórica e englobam várias áreas de especialização, sendo o Jornalismo uma delas.
São vários os jornalistas com formação em outras áreas, como Esporte, Direito, Economia, Gestão, Relações Internacionais, Sociologia, Antropologia, História, Línguas, etc. O que até pode ser útil, principalmente para os que se pretendem especializar numa área específica.
Contudo, um diploma não faz de alguém jornalista ou o habilita como tal. Mais importante do que qualquer curso é a capacidade de olhar para o mundo, de o analisar, de descobrir o que há de interessante para contar, de estar atento, ser sensível, saber escrever e descrever, ser criativo, e ter boas idéias.
Sem estas qualidades não há curso que transformem alguém em jornalista. É nas redações que se formam os jornalistas. Daí a importância do estágio, que muitas vezes é uma experiência frustrante, porém fundamental para o futuro jornalista.
O mercado de trabalho não é fácil e por isso nem sempre se consegue um trabalho estável. São muitos os que optam por começar como free-lancers, colaborando com um ou vários órgãos de comunicação, recebendo por matérias publicadas.
Obviamente que nestes casos, o rendimento depende da capacidade de trabalho: quanto mais trabalhos conseguir publicar, mais se ganha. É uma forma de entrar na profissão e de criar contatos.
Para qualquer jovem candidato a jornalista que queira trabalhar mas que não conheça ninguém no meio, a melhor forma de vir a ser requisitado é dar-se a conhecer. Mas dar-se a conhecer não significa simplesmente mandar um envelope com o currículo dentro. Quem receber esse currículo até pode achar que o jovem teve muito boas notas no curso mas nada mais saberá sobre o candidato.
É importante por isso "atacar" logo com propostas de trabalho, que podem ser idéias que gostaria de desenvolver ou artigos que já escreveu e que vão fazer com que o meio de comunicação onde você deseje ingressar se interesse muito mais rapidamente pela sua colaboração. Isto, no caso de o seu estilo se adequar ao estilo e temáticas daquela redação. O importante é ir atrás e abraçara a profissão.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Noticiam sobre eventos e pessoas que são de interesse jornalísticoEscrevem artigos, histórias e crônicas sobre o cotidiano para jornais, revistas e outras mídia inclusive televisão e rádio.Entrevistam pessoas, e coletam informações para elaborar perguntas para o entrevistado.Assiste a eventos e escreve relatórios e matérias sobre os mesmos.Investiga e coleta dados e informações para criação de matérias.Apresenta programas de rádio e tv.Escreve artigos sobre assuntos específicos: Economia, esporte, cultura, entre outros.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.
Língua Inglesa.
Conhecimentos em informática (editores de texto, banco de dados, internet, e-mail transferência de dados)






LETRAS

Professor de Línguas Estrangeiras

A PROFISSÃO

Os profissionais dessa área podem buscar a formação como professor de Línguas Estrangeiras a quem cabe a difusão da cultura estrangeira, necessária ao desenvolvimento da consciência nacional pelo reconhecimento do outro, o que amplia a visão de mundo e abre caminho para ultrapassar as barreiras lingüístico-culturais do mundo globalizado.Contudo, muitos escolhem o curso de letras buscando aprimorar sua escrita visando a carreira de escritor.
Os escritores produzem obras literárias, tais como romances, biografias, novelas, contos, poesias, guiões, argumentos ou ensaios, entre outras. Estas obras podem ser ou não de ficção, fruto da imaginação, ou retratarem acontecimentos reais, e podem ter diversos destinos, tais como a publicação em livro e a adaptação ao teatro, à televisão ou ao cinema.
Ao redigirem os seus textos, os escritores partem das suas observações, experiências, reflexões, imaginação e criatividade.
O profissional de letras pode também trabalhar na área jornalística, escrevendo colunas, crônicas ou outros tipos de textos para jornais, revistas, internet, emissoras de televisão entre outros meios de comunicação.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

O aluno do curso de Letras, em qualquer de suas habilitações, terá condições de Dominar e instrumentalizar-se para as seguintes habilidades principais:Ler e interpretar textos;Produzir textos;Reconhecer a tipologia textual;Dominar a norma culta e reconhecer normas diferenciadas;Comunicar-se eficientemente nas diversas situações socio-interacionais;Dominar as teorias e práticas do processo de tradução-interpretação;Conhecer a metodologia do ensino da Língua Portuguesa e de Língua Estrangeiras;No Brasil, são poucas as pessoas que vivem exclusivamente da profissão de escritor, uma vez que até a referida profissão inexiste no país, sendo regra a acumulação da atividade literária com outras atividades. São também poucos os escritores brasileiros cujos títulos traduzidos são vendidos em outros países de língua estrangeira.Mesmo alguns conhecidos escritores nacionais possuem outras profissões, muitas vezes pouco ligadas a sua profissão de escritor, como: médicos, advogados, engenheiros, matemáticos, entre outros.Desta forma, somente os escritores de maior prestígio conseguem obter rendimentos que lhes permitam sobreviver apenas com base na venda dos seus livros e/ou nos contratos que assinam com as editoras.Pode-se dizer que um escritor é feito de muito esforço e alguma inspiração.Não pense que uma faculdade de letras tornará alguém um escritor, as técnicas e normas ensinadas no curso apenas auxiliam aqueles que já possuem vontade e vocação para profissão.Os escritores não necessitam de uma formação acadêmica específica - a única condição imprescindível, naturalmente, é a de que saibam escrever...Alguns deles não possuem estudos superiores e os que possuem têm formação nas mais diversas áreas: existem escritores que são jornalistas, professores, arquitetos, médicos e advogadosA formação dos escritores é uma autoformação, em que cada um procura obter o máximo de qualificação possível, investindo continuamente nos seus projetos literários.Contudo, existem formações acadêmicas que podem dotar os potenciais escritores com um conjunto de instrumentos benéficos para a produção textual, nomeadamente cursos em Lingüística, Línguas e Literaturas, Comunicação Social ou Ciências da ComunicaçãoMuitos profissionais da área optam por lecionar em escolas de ensino médio e universidades.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.
Línguas Estrangeiras
Informática (Editores de texto)






MATEMÁTICA

Matemático

A PROFISSÃO

O curso de graduação em matemática, visa à formação de professores de Matemática do ensino fundamental e médio, e bacharéis em Matemática; bem como preparar profissionais para realizarem estudos de pós-graduação em Educação Matemática, Matemática Pura, Matemática Aplicada ou em áreas afins à Matemática.
O Curso de Matemática, além das atividades obrigatórias, oferece ao aluno a oportunidade de participar, como bolsista, de projetos de Iniciação Científica, projetos específicos para Licenciatura e Monitoria de diversas disciplinas, complementando sua formação profissional.
O curso de licenciatura em Matemática está visa desenvolver nos futuros profissionais da área do ensino de Matemática uma visão abrangente do papel social da escola e do educador.
A a capacidade de expressar-se, escrita e oralmente, com clareza e precisão; a capacidade de aprendizagem continuada, sendo sua prática também fonte de produção de conhecimento.
A capacidade de compreender, criticar e utilizar novas idéias e tecnologia; a capacidade de analisar e selecionar material didático e elaborar propostas alternativas.
A a capacidade de planejamento de cursos com criação e adaptação de métodos pedagógicos; a capacidade de relacionar vários campos da Matemática para elaborar modelos, resolver problemas e interpretar dados.
A a capacidade de trabalhar com conceitos abstratos na resolução de problemas; a capacidade de interpretação e representação gráfica e ter visão histórica e critica da Matemática tanto no estado atual como nas várias fases de sua evolução.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

O profissional de Matemática desenvolve novas metodologias para o Ensino de Matemática nos níveis fundamental, médio e superior; materiais didáticos, visando à interação da Matemática com as outras ciências, a realidade e o cotidiano do educando.Na Matemática Pura, trabalha com conceitos matemáticos abstratos e atua em questões relativas ao avanço do conhecimento matemático.Na Matemática Aplicada, desenvolve o conhecimento matemático para aplicá-lo na resolução de problemas e na realização de pesquisas em áreas das ciências físicas, biológicas e sociais.Onde atua:Nas instituições de ensino fundamental e médio, Universidades (formação de engenheiros, físicos, químicos, biólogos, economistas, administradores de empresas, atuários, farmacêuticos etc.), institutos de pesquisas científicas, empresas de processamento de dados. Em função da expansão do mercado de software e de várias atividades, nos quais os conhecimentos e modelos matemáticos são aplicados, há uma tendência de crescimento da demanda no mercado de trabalho de profissionais com formação na área de Matemática.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa
Matemática






MEDICINA

Médicos

A PROFISSÃO

Os médicos têm como tarefas principais a promoção da saúde, a prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças e a reabilitação do paciente.
Entre as funções do médico que tratam diretamente com o paciente incluem ouvir e examinar doentes (ou propor a realização de exames junto de outros médicos, especialistas em determinadas doenças), administrar medicamentos e aplicar ou recomendar tratamentos.
No âmbito da medicina preventiva, cabe-lhes aconselhar as pessoas sobre alimentação, preparação física, higiene e nos cuidados preventivos de saúde, bem como promover a saúde pública, participando de projetos comunitários.
Dentro da medicina, existe uma grande variedade de áreas de intervenção, o que possibilita a estes profissionais uma atuação diferenciada de acordo com os seus interesses e motivações.
Alguns médicos, por exemplo, optam por se dedicar apenas à pesquisa, efetuando estudos sobre determinadas doenças, buscando compreender as suas causas e descobrir a sua cura ou tratamentos que reduzam os seus sintomas ou evitem a sua progressão.
Em função dos resultados obtidos, elaboram relatórios e publicações científicas. Outros médicos decidem especializar-se num determinado tipo de doenças ou de intervenção médica, dependendo as suas funções da respectiva especialidade, como patologia, neurologia, dermatologia, cardiologia, cirurgia, entre outros.
Independentemente da especialidade, os médicos seguem uma metodologia genérica quando lidam com os pacientes. O primeiro passo que tomam consiste em tentar perceber as razões pelas quais o doente precisa de sua ajuda, inquirindo-o sobre os sintomas que sente e/ou apresenta.
Por vezes, necessitam também de obter dados sobre o histórico médico do doente, ou seja, saber quais as doenças, perturbações ou lesões sofridas, os tratamentos a que se submeteu, os medicamentos que pode ou não tomar, etc. Em seguida, procedem a um exame do doente no âmbito da sua especialidade, podendo recorrer a exames físicos e laboratoriais.
Algumas vezes, a doença pode não ser manifesta ou o conjunto de sintomas pode não mostrar qual é o verdadeiro problema, dando a impressão que se trata de uma outra doença. Por fim, elaboram um plano de tratamento e acompanham a sua aplicação, avaliando a evolução do estado físico e/ou psíquico do doente.
Algumas doenças e perturbações exigem que o plano de tratamento envolva não apenas o doente, mas também a sua família (por exemplo, no caso de distúrbios nervosos ou de toxicodependência). Com exceção das doenças crônicas ou terminais, este processo se encerra normalmente com a cura ou o desaparecimento dos sintomas da doença.
A atuação de um médico não é, contudo, isolada, especialmente quando exerce a sua atividade num hospital ou centro de saúde. Com efeito, quer na prevenção da doença, quer no seu diagnóstico e tratamento, o médico conta com a colaboração de muitos outros profissionais de saúde, desde enfermeiros a técnicos auxiliares, passando por técnicos de diagnóstico e terapêutica (fisioterapeutas, terapeutas da fala, técnicos de radiologia, técnicos de ortoprótese, técnicos de cardiopneumografia, etc).
Este fato, conjuntamente com a necessidade de criar uma relação de mútua confiança com os doentes,faz com que a habilidade para se comunicar e as capacidades de empatia, de relacionamento e de trabalhar em equipe sejam muito importantes nesta profissão.
O sangue frio, a dedicação, o bom senso e, sobretudo, a vocação são considerados requisitos indispensáveis, na medida em que as profissões da área de saúde são muito exigentes e é necessário saber lidar cotidianamente com situações de sofrimento, tanto físico como psicológico. É fundamental ter sempre consciência da extrema responsabilidade inerente a um ato médico, uma vez que este interfere com a saúde e a vida das pessoas.
Tendo em conta o conjunto das suas funções, os médicos devem ser emocionalmente estáveis e capazes de se manter calmos em situações de emergência, bem como dotados de uma elevada competência técnica e científica. Algumas especialidades exigem capacidades particulares: por exemplo, a um médico cirurgião é requerida uma habilidade manual muito desenvolvida.
Da mesma forma, aqueles que dirigem clínicas ou que detêm responsabilidades de gestão ou chefia num hospital devem ter conhecimentos de gestão e de administração, de modo a saberem coordenar outros trabalhadores e gerir os recursos materiais e financeiros existentes. Para os que lidam diariamente com aparelhos ou utilizam tecnologias avançadas, é ainda útil ter conhecimentos informáticos, matemáticos e estatísticos.
Emprego:
A maioria dos médicos exerce a sua atividade em serviços públicos de saúde, designadamente estabelecimentos hospitalares (nas enfermarias, emergências, etc.) e centros de saúde (como médicos de família, por exemplo).
Outros exercem a sua atividade por conta própria, quer explorando um consultório individualmente, quer associando-se com colegas de profissão na exploração de uma clínica ou centro médico privado. Uma situação freqüentemente registrada entre estes profissionais é o fato de muitos trabalharem em mais do que um local de trabalho, acumulando diversas atividades.
É comum encontrar um médico que além de trabalhar num hospital, dá consultas numa clínica ou num consultório privado.
Alguns médicos trabalham, ainda, em organizações que prestam serviços médicos em domicílio, empresas em geral (como médicos do trabalho), faculdades e laboratórios (como docentes e/ou pesquisadores), sindicatos, clubes desportivos (no âmbito da medicina desportiva) e órgãos das Forças Armadas.
Nos últimos anos, algumas oportunidades de trabalho têm sido também proporcionadas pelas empresas da indústria farmacêutica, que recrutam médicos para o desempenho de funções ligadas à área do marketing farmacêutico (apoio técnico e científico a equipes de marketing, formação de delegados de informação médica, preparação do lançamento de novos medicamentos, etc.).
À semelhança do que acontece em outras áreas profissionais, o mercado de trabalho dos médicos é, ainda, afetado pelo modo como estes estão distribuídos pelo território nacional: apesar de haver falta de médicos em algumas zonas rurais ou interiores do nosso país (sendo esta falta, por vezes, muito acentuada em relação a certas especialidades).
Registram-se algumas dificuldades de emprego nos grandes centros urbanos, dado que é nos estabelecimentos de saúde aqui localizados - normalmente dotados de melhores equipamentos - que a maioria dos médicos prefere trabalhar.
Formação e Evolução na Carreira
Dada a natureza das suas funções, os médicos têm um período de formação muito longo, comparativamente com a generalidade das profissões. Em primeiro lugar, necessitam se licenciar num curso em Medicina, o qual existe em diversos estabelecimentos de ensino.
Licenciatura
As licenciaturas em Medicina têm a duração de 6 anos e após a conclusão do curso, o médico pode optar por se especializar para que possa exercer a profissão em áreas específicas, como neurologia, cardiologia, ortopedia, cirurgia geral, cirurgia vascular, entre outras.
Se não optar pela especialização o médico possuirá o título de clínico geral, podendo atender a grande maioria dos casos e quando necessário, encaminhar os pacientes para médicos especializados.
A especialização consiste em aulas práticas, teóricas e na grande parte do tempo atividades diretas com os pacientes acompanhado de um profissional já especializado. Dependendo da especialização escolhida, o médico poderá só vir a conseguir o título de especialista após 6 anos de residência, porém, há especializações menor duração, em que com 2 ou 3 anos ele poderá se tornar um médico especializado.
Ao longo da carreira, é muito importante que estes profissionais se mantenham atualizados, pois a medicina é uma área onde a evolução técnica e científica é constante: estão sempre surgindo novos medicamentos, novas técnicas, novas terapias e o que é recomendável em uma determinada época, pode ser considerado contraproducente ou não aconselhável após algum tempo.
Por este motivo, os médicos necessitam investir continuamente na atualização dos seus conhecimentos, através, por exemplo, da freqüência regular de seminários ou congressos e da leitura de literatura médica especializada.
Condições de Trabalho
As condições de trabalho em que os médicos desenvolvem a sua atividade são muito variáveis. Os que trabalham por conta própria poderão, eventualmente, usufruir as melhores condições, possuindo um espaço individual, com boas condições ambientais, na clínica ou na empresa, e um horário regular, muitas vezes estabelecido pelos próprios.
Em comparação, os que trabalham em estabelecimentos de saúde públicos poderão não possuir um espaço próprio e ter de lidar com problemas resultantes da falta de recursos humanos e de equipamento. Além disso, poderão ter de fazer trabalhos extras e serviços de urgência, que podem ocorrer à noite, em dias de descanso semanal e de descanso complementar.
O serviço de urgência é considerado, por alguns destes profissionais, como uma das áreas mais exigentes dentre as opções de trabalho de um médico: durante este período, passam por momentos de grande tensão, dado que são constantemente chamados a intervir de uma forma rápida perante situações cujas vidas de pessoas estão em risco.
Os médicos de emergência tem contato direto com o sofrimento humano e com a morte. Devido a grande proximidade com os doentes, os médicos estão sujeitos, ainda, a alguns riscos profissionais, nomeadamente o de contraírem doenças infecto-contagiosas.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Intervenções cirúrgicas gerais ou locaisIdentifica e trata causas de desconforto ou infecções.Escuta os pacientes e às vezes seus parentes que falam sobre o seu problema de saúde e seus sintomas.Procura adquirir informações mais específicas.Examina o paciente se necessário e pode solicitar e administrar testes.Dá um diagnóstico do problema.Trata o problema dando conselho, sugestões e confiança, enquanto prescreve o medicamento ou indica um especialista.Pode revisar diagnósticos depois do tratamento.Dá conselho em modos prevenção ou redução de problemas de saúde.Consulta pessoalmente, por escrito ou telefone outros profissionais buscando informações relativas a situação do paciente.Preenche registros, formulários, relatórios, e assina certificados.Acompanha o processo de restabelecimento do paciente.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.
Biologia
Química
Física






METEREOLOGIA

Meteorologistas

A PROFISSÃO

Os meteorologistas estudam e interpretam a composição, a estrutura e a dinâmica da atmosfera e analisam os vários tipos de fenômenos meteorológicos.
Do seu trabalho resultam informações e previsões sobre o estado do tempo, que são utilizadas na vigilância meteorológica destinada à proteção de vidas humanas e de bens e à prestação de serviços às mais diversas atividades econômicas como, por exemplo, a agricultura e a navegação aérea e marítima.
Resultam, igualmente, informações e previsões utilizadas para proteção do clima e do ambiente atmosférico.Cumpre a estes profissionais estudar o sistema climático, constituído pela atmosfera, litosfera, biosfera e hidrosfera e as relações entre estes subsistemas.
Examinam, por exemplo, a atmosfera no que diz respeito às suas propriedades químicas e físicas, à transmissão de luz, som e ondas de rádio e à transferência de energia.
Estudam, também, fatores relacionados com a formação de nuvens, precipitação, neve e outros fenômenos meteorológicos como tempestades tropicais ou maremotos, recorrendo designadamente a registros de fenômenos como o vento, a pluviosidade, as horas de sol e as temperaturas de determinados locais.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

A previsão do estado do tempo é uma das atividades mais conhecidas destes profissionais.Para a cumprirem começam por recolher informação sobre pressão atmosférica, temperatura e umidade do ar, direção e velocidade do vento, nuvens, precipitação, eletricidade atmosférica, etc.Com base nas informações recolhidas, elaboram cartas que permitem prognosticar o estado do tempo a curto, médio e até a longo prazo.Também comunicam e explicam as previsões recorrendo, por exemplo, aos meios de comunicação social, diferenciando a informação em função dos interessados: público em geral ou agentes econômicos, por exemplo, dos setores agrícola, piscatório e dos transportes.No âmbito da vigilância meteorológica, são responsáveis pelos avisos de ocorrência de fenômenos meteorológicos e climatológicos extremos, tais como precipitações muito intensas, cheias, ventos fortes ou muito fortes e períodos de seca prolongados.Podem, ainda, apoiar na prevenção e no combate aos fogos florestais.Os meteorologistas desempenham, também, funções relacionadas com a proteção do ambiente atmosférico, como a verificação dos valores que este apresenta no que se refere a componentes como ozônio, dióxido de carbono, dióxido de enxofre, óxidos de azoto, compostos orgânicos voláteis, etc.Normalmente, estes profissionais lidam com uma grande quantidade de instrumentos. Recorrem, por exemplo, a satélites para obter informações sobre o estado do tempo ou sobre a variação da camada de ozônio, a radares para detectar trovoadas e tornados (e respectiva direção e intensidade) e a computadores para tratarem toda a informação recolhida.Por vezes, determinadas tarefas são realizadas juntamente com profissionais de outras áreas. Por exemplo, é natural que no estudo de um terremoto trabalhem com geólogos e quando procedem à vigilância da qualidade do ar trabalhem com engenheiros do ambiente.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa.
Geografia
Informática






MÚSICA

Músicos

A PROFISSÃO

O curso de graduação em música visa à formação de músicos profissionais com amplo e aprofundado domínio dos conhecimentos teóricos e práticos fundamentais à sua atuação como bacharel em música que podem trabalhar em estúdios, gravadoras, rádio, televisão, teatros, centros culturais e produtoras.
A área da musicologia abriga músicos pesquisadores que se responsabilizam pela recuperação e publicação de partituras e livros e, também, pela organização de acervos históricos.
A Animação Cultural, campo de trabalho recente no Brasil, requisita músicos para o planejamento e execução de ações artístico-culturais.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

O profissional licenciado em música deve estar apto a comunicar, interagir e construir o conhecimento musical através de uma prática pedagógica engajada na visão de aprendizagem como assimilação crítica do conhecimento.Pode dar aulas em escolas da rede pública e particular, no âmbito do ensino fundamental e médio; atuar em instituições e fundações culturais ou quaisquer campos onde houver a possibilidade de desenvolvimento de projetos sociais e pedagógicos na área da educação musical.O bacharel atua como músico profissional no âmbito erudito em concertos solo, com orquestra e em grupos instrumentais e vocais, jazz, MPB ou outras tendências contemporâneas.Pode voltar-se à docência universitária na área de canto ou instrumento em escolas de música, fundações e instituições de apoio à cultura e, ainda, atuar como regente de grupos vocais e instrumentais.O mercado de trabalho para estudantes de música hoje, no Brasil, tem suscitado demandas nos departamentos universitários para o aprendizado técnico da composição e conhecimento das convenções musicais e tecnológicas da produção de música popular, jingles, trilhas sonoras.

CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS

Língua portuguesa
Língua inglesa

F - M
N - Z

Postagens populares

 
TOPO
©2008 Curriculo Ideal Por curriculoideal.blogspot.com